rui torres @telepoesis | poesia, ensino, investigação

ensino | livros & revistas | artigos | conferências | I&D | poesi@s | diálogos | press

PT | EN


Efemeridade e Efemérides TORRES, Rui (2024). Efemeridade e Efemérides: A Curadoria do Po-Ex.Net como Desafio e Comemoração. In: Revista TRIPLOV de Artes, Religiões e Ciências, Das vanguardas em Portugal_tantoS deSSeS deSaSSoSSegoS, coord. António Barros. ISSN: 2182-147X

A vanguarda, significando literalmente 'guarda avançada', explora territórios desconhecidos e enfrenta desafios iniciais. Rompe com as tradições, introduz inovações. Provoca, questiona, procura outras formas de expressão e experimenta. Expande os limites do conhecimento. Situando-­‐se na vanguarda, a poesia experimental manifesta a tensão entre volatilidade e persistência. Elude fixações, inspirando homenagens e revisitações, e, embora resista à definição convencional, acolhe interpretações curatoriais.

https://triplov.com/ [Índice]

https://triplov.com/ [PDF]



Revista 2i TORRES, Rui; MINISTRO, Bruno; & CARDOSO, Inês (2023). Editorial: Salette Tavares: "Vocação de ser itinerante". In: 2i - Estudos de Identidade e Intermedialidade, 5(8), pp. 3-7. DOI: 10.21814/2i.5472

Para celebrar e produzir novas leituras do legado rico e multifacetado de Salette Tavares, este número da Revista 2i convidou ao envio de artigos que explicitamente desenvolvessem pesquisa nova e relevante em torno da sua obra. Embora os ângulos de abordagem possíveis para uma obra tão multifacetada como a de Salette Tavares não se esgotem naqueles presentes neste volume, acreditamos que o conjunto de textos aqui reunidos permite mapear e sinalizar a complexidade e abrangência que a obra da autora repercute hoje.

https://revistas.uminho.pt/index.php/2i/



RCL - Revista de Comunicação e Linguagens nº 58 TORRES, Rui; RETTBERG, Jill Walker; RETTBERG, Scott; & TABBI, Joseph (2023). Narrativas Digitais — Teorias, Crítica(s), Resultados: Introdução. In: RCL - Revista de Comunicação e Linguagens, 58, pp. 7-11. DOI: 10.34619/dmmc-vpmx

À medida que os ambientes computacionais vão emergindo da nossa ecologia mediática distribuída e em constante mutação, também os nossos contextos culturais se vão alterando e transformando. O impacto da narratividade algorítmica em formas narrativas renovadas e em desenvolvimento requer estudos contextualizados e situados sobre o modo como são produzidas, como circulam e como são recebidas, bem como autoavaliação e crítica para explicar de que forma as interações de autores humanos com agentes não humanos são programadas, estruturadas e comunicadas.

https://rcl.fcsh.unl.pt/index.php/rcl/



Narrativas Diluidas: Educación Ecológica y Transposición Narrativa en «O homem que queria ser água» de António Abernú TORRES, Rui & FERREIRA, Ruben (2022). Narrativas Diluidas: Educación Ecológica y Transposición Narrativa en «O homem que queria ser água» de António Abernú. In: Domingo Sánchez-Mesa e Jordi Alberich Pascual, Eds. Transmedialización y Crowdsourcing. Valencia, Editorial Tirant lo Blanch. pp. 61-73. ISBN 978-841-907-154-5

O projeto «O homem que queria ser água», de António Abernú, mescla diferentes formas de transposição narrativa. O objetivo deste artigo é apresentar este projeto, com foco nas transposições que confundem as fronteiras entre os meios. No atual ambiente mediático em rede, esta narrativa ilustra como as histórias circulam através de vários média e plataformas. Tal como a água, substância vital em permanente metamorfose, passando de um estado sólido para o líquido e gasoso, também as narrativas transmédia atravessam diferentes estados.

https://editorial.tirant.com/



Eikon - Journal on Semiotics and Culture KULAK, Sergio Marilson & TORRES, Rui (2022). Ambient Advertising: a capacidade gerativa de sentido na publicidade não-convencional. In: Eikon - Journal on Semiotics and Culture, 11, pp. 89-99. ISSN: 2183-6426. DOI: 10.25768/2183-6426.n11.09

A publicidade utiliza diferentes estratégias para efetivar seus discursos, incluindo formatos inusitados de veiculação, como é o caso das Ambient Advertisings. Esta pesquisa objetiva compreender como uma peça de Ambient Advertising tem a capacidade de atrair a atenção dos usuários urbanos e produzir sobre eles algum significado. Assim, o problema de pesquisa se configura do seguinte modo: Como a Ambient Advertising desenvolve seus efeitos de sentido para conquistar seu público-alvo? Para responder a esta pergunta recorre-se à semiótica de linha interpretativa peirceana, com base nos conceitos apresentados por C. S. Peirce e seus estudiosos.

http://ojs.labcom-ifp.ubi.pt/index.php/eikon/



Translocal 4, ANTÓNIO ARAGÃO, antena receptiva (1921-2008) TORRES, Rui; MINISTRO, Bruno & SALGUEIRO, Ana. (2022). ouverture _ pre.lú.di.o: António Aragão, antena receptiva. In: TRANSLOCAL. Culturas Contemporâneas Locais e Urbanas # 4 (2021). ANTÓNIO ARAGÃO, antena receptiva (1921-2008). Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais, Universidade da Madeira. pp. 9-14. DOI: 10.34640/universidademadeira2022torres. ISSN: 2184-1047

Com o número 4 de TRANSLOCAL, esperamos avançar com algumas respostas possíveis aos múltiplos questionamentos que a obra de António Aragão nos deixa: qual a importância e a atualidade dos seus estudos? Qual a relevância dos seus textos para compreender a multiplicidade da literatura e da sua relação com outras artes? Qual o lugar do autor no contexto do experimentalismo literário? Que estímulos na sua obra permitem pensar a sociedade mediada? Que nos dizem esses exercícios sobre o seu momento e que aspetos do seu pensamento ainda perduram? Que marcas deixou a sua ação comunicativa? Que rasto das suas interlocuções com agentes da cultura e das artes do seu tempo identificamos? Que nos ensina o seu espírito crítico sobre a importância de desviar (d)as normas?

https://doi.org/10.34640/



Translocal 4, ANTÓNIO ARAGÃO, antena receptiva (1921-2008)

TORRES, Rui (2022). A «ilegibilidade essencial» de António Aragão. In: TRANSLOCAL. Culturas Contemporâneas Locais e Urbanas # 4 (2021). ANTÓNIO ARAGÃO, antena receptiva (1921-2008). Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais, Universidade da Madeira. pp. 209-215. DOI: 10.34640/universidademadeira2022torres. ISSN: 2184-1047

A obra de António Aragão inclina-se para um questionamento muito singular acerca dos limites das artes e as suas criações investigam as fronteiras do conhecimento a partir de uma visão original. António Aragão estranh(ad)o: viajante, estrangeiro, livre. Circulando através de ofícios plurais, explorando as condições da sua (re)invenção. Desobrigado, insubmisso, independente.

https://doi.org/10.34640/



Les Péninsules démarrées TORRES, Rui (2022). POésie EXpérimentale: intégration, variété, transformation. In: Les Péninsules démarrées. Anne Bonnin et Claire Jacquet, eds. Paris, Éditions Dilecta / Bordeaux, Frac Nouvelle-Aquitaine MÉCA. pp. 26-31. ISBN: 978-2-37372-162-1

A PO.EX não se ajusta a uma definição unívoca, nem se inscreve numa prática artística homogénea. Aquilo que a designa é o excesso: empenha-se na comunicação embora admita a ilegibilidade; circula na rua mas expõe-se no museu.

https://editions-dilecta.com/



Mix and Match: Hibridismo e Transmaterialidade TORRES, Rui (2022). Contra os novos média: a literatura pós-digital como mediação e hibridização. In: Mix and Match: Hibridismo e Transmaterialidade. Maria Eugénia Pereira, Inês Costa e Emanuel Madalena, coords. V.N. Famalicão: Edições Húmus. pp. 47-67. ISBN: 978-989-755-695-1

O termo pós-digital aponta para o modo como as tecnologias digitais motivam diálogos que vão além da interactividade mediada pelo ecrã, suscitando formas de conjunção entre digital, cultural e biológico. Esta combinação de real e virtual tem desencadeado formas de criação artística e literária que se caracterizam pela mediação e hibridização. (...) Neste artigo serão discutidos os conceitos enunciados no título, fazendo-se referência a obras de wr3ading d1git5, Eduardo Kac, Christian Bök e Cesar & Lois, as quais comprovam que a literatura remete para o múltiplo e o heterogéneo.

http://hdl.handle.net/10284/11294



Electronic Literature Collection, Volume 4 BERENS, Kathi Inman; MURRAY, John T.; SKAINS, R. Lyle; TORRES, Rui & ZAMORA, Mia (2022). Collective Editorial Statement. In: Electronic Literature Collection, Volume 4. Electronic Literature Organization; Washington State University Vancouver. DOI: 10.7273/issn.1932-2022.4.about.statement. ISSN: 1932-2022

Embora úteis para compreender e interpretar corpora literários, as definições de literature eletrónica são incompletas e em evolução. Os autores de e-lit adotam criativamente novas tecnologias sempre que disponíveis, frustrando às definições disponíveis. As obras selecionadas para a ELC4 são variadas, indo além dos géneros (re)conhecidos e desafiando as percepções anteriores de literatura eletrónica manifestadas nas três coleções anteriores.

http://doi.org/10.7273/



Abílio-José Santos 3/3 MELO, Cláudia & TORRES, Rui (2022). Revelação: Concretos e Visuais. In: Abílio-José Santos 3/3. Maia, Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Maia. p. 25. ISBN: 978-972-8315-80-1

Abílio revelação, revelação de Abílio: desconhecido e inquietante, interrogativo e humano, interventivo e subterrâneo, inconformista e autodidata, subversivo e independente. Abílio revelado.

https://telepoesis.net/papers/



Abílio-José Santos 3/3 TORRES, Rui (2022). Arte Postal. In: Abílio-José Santos 3/3. Maia, Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Maia. p. 135. ISBN: 978-972-8315-80-1

A interação de Abílio com a rede de arte postal é ampla e abundante. Embora os materiais selecionados para esta exposição, oriundos de 25 países distribuídos por 4 continentes, revelem essa amplitude, eles são uma ínfima parte dos artefactos preservados pela família.

https://telepoesis.net/papers/



ARAGÃO, António (2021). Obra (Re)Encontrada RIBEIRO, Rui Miguel; TORRES, Rui & MINISTRO, Bruno (2021). Nota de abertura. In: ARAGÃO, António (2021). Obra (Re)Encontrada. Lisboa, Edições do Saguão, pp. 5-7. ISBN: 978-989-54831-8-1

Este livro surge com um duplo propósito. Por um lado, assinalar o centenário do nascimento deste poeta e, com a fidelidade possível — na composição e no conteúdo —, apresentar uma selecção abrangente onde se procurou fazer sobressair a vertente poética da sua obra. Por outro, tornar patente o seu papel de dinamizador (em sentido literal e metafórico), de investigador permanente e criador em várias artes, cuja produção e capacidade mobilizadora fez coincidir diferentes artistas e poetas, ajudando a inaugurar um novo momento no panorama literário (e não só) português, na década de sessenta, prolongado de forma autónoma até hoje.

http://hdl.handle.net/10284/11313



Literatura na rede ou literatura como rede? TORRES, Rui & MINISTRO, Bruno (2021). Literatura na rede ou literatura como rede? Simbiose e mediação na ciberliteratura portuguesa. In: e-Letras com Vida — Revista de Estudos Globais: Humanidades, Ciências e Artes [e-LCV], 7, «Literatura, Artes e Hipertexto na Web». pp. 115-126. DOI: 10.53943/ELCV.0221_08. ISSN: 2184-4097

Pretende-se com este artigo identificar e descrever duas formas distintas de utilização da rede no que concerne à literatura: como meio de difusão, considerado uso fraco, viabilizando arquivos, bases de dados e outros sistemas de publicação eletrónica, isto é, literatura na rede; e como meio de produção, considerado uso forte, motivando géneros emergentes, simbioses humano-máquina e mecanismos de produção ciberliterária, isto é, literatura como rede.

https://e-lcv.online/



Performative Poetry as Program, Programmed Poetry as Performance. TORRES, Rui & DIAS, Sandra Guerreiro (2021). Performative Poetry as Program, Programmed Poetry as Performance. In: Interférences litteraires/literaire interferenties, 25, «Literature and/as (the) digital», dir. Chris Tanasecu. pp. 93-141. ISSN: 2031-2970

Formas inovadoras de poesia, como a arte da linguagem e a poesia experimental, adotaram processos intersemióticos e restrições linguísticas na sua codificação, promovendo a releitura e a transgressão de aparatos técnicos das sociedades tecnocapitalistas. Por outro lado, novas formas inventivas de linguagem artística digital, como a poesia eletrónica, integraram a generatividade, a indeterminação e a combinatória na sua programação, estimulando a reinvenção e a subversão dos mecanismos computacionais das sociedades em rede.

http://www.interferenceslitteraires.be/



Wreadings: Digital Poetry and Collaborative Practice. TORRES, Rui & MADURO, Daniela Côrtes (2021). Wreadings: Digital Poetry and Collaborative Practice. In: The Community and the Algorithm: A Digital Interactive Poetics, Org. Andrew Klobucar. Wilmington, DE: Vernon Press, pp. 3-26. ISBN: 978-1-64889-311-7

O termo escrileitura tem sido utilizado em diversos contextos, principalmente quando se analisa o processo de leitura de ficções hipertextuais. Contudo, acreditamos que, em algumas obras de poesia digital, este termo adquire um significado particular que será explorado neste artigo. Começaremos por examinar as condições em que esta forma literária surgiu e evoluiu, explorando a especificidade do discurso poético, identificando vários antecedentes da poesia digital e explorando uma ligação entre arte e tecnologia.

https://vernonpress.com/book/1025

https://books.google.pt/



Liberdade e Invenção: a poeprática de E. M. de Melo e Castro. TORRES, Rui & CARDOSO, Inês (2021). Liberdade e Invenção: a poeprática de E. M. de Melo e Castro. In: Colóquio/Letras, 207. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. pp. 141-153. ISSN: 0010-1451

Poeta, artista e um dos mais ativos dinamizadores da Poesia Experimental Portuguesa, E. M. de Melo e Castro deixou-nos uma vasta obra na qual privilegiou o cruzamento de múltiplas linguagens, meios e materialidades. Movido pelo intento de promover uma constante experimentação e investigação, o poeta desenvolveu, simultaneamente, uma intensa atividade teórico-crítica, que se fez acompanhar de um persistente trabalho de organização e disseminação. Este ensaio procura pensar e integrar as diversas facetas do trabalho do autor, tomando como ponto de partida duas coordenadas que nortearam a sua prática poética, aqui entendida como uma poeprática: liberdade e invenção.

https://hdl.handle.net/10284/9899



El context portuguès. Poesia experimental amb Brossa (o no). TORRES, Rui (2021). El context portuguès. Poesia experimental amb Brossa (o no). In: Glòria Bordons, Lis Costa & Eva Figueras (eds). Joan Brossa: Els arbres varien segons el terreny. Barcelona: Edicions de la Universitat de Barcelona. pp. 299-316. ISBN: 978-84-9168-653-8

A poesia experimental é transnacional e está interligada. Embora não haja registo de qualquer visita de Brossa a Portugal, os poetas portugueses conhecem as obras experimentais e visuais de Brossa, muitas das quais são anteriores às deles. (...) Formas análogas de expressão sugerem que as relações entre poemas e objetos e entre imagens e texto eram atos de resistência comuns tanto em Portugal como na Catalunha..

http://hdl.handle.net/10284/12569

http://www.edicions.ub.edu/



Vulcânico PaLavrador TORRES, Rui (2021). Para o “Vulcânico Palavrador”, de AB, essa “Elegia” a AA, Como se possível fosse enunciar o lamento. In: Barros, António, Vulcânico PaLavrador. Uma Elegia a António Aragão. Calheta: MUDAS_Museu de Arte Contemporânea da Madeira. pp. 7-11. ISBN: 978-972-648-258-1

António Barros (AB) promove a literatura como tradução, transposição, intersemiose, alargando fronteiras, convocando, nas suas artitudes, sempre pedagógicas, o erigir de algo novo. Há nas obras de AB, e nesta em particular, toda uma condição política e ideológica flutuante. (...) AB conseguiu, afinal, delinear esse perfil (im)possível de António Aragão (AA), tinta estendida não num ÃO apenas, mas no ritual de quem habita a indisciplina. Poesia.

https://telepoesis.net/papers/



A cidade como espaço de comunicação mercadológica KULAK, Sergio Marilson & TORRES, Rui (2020). A cidade como espaço de comunicação mercadológica: o potencial de produção de sentido das marcas a partir de intervenções publicitárias no contexto urbano. In: Proceedings of the 14th World Congress of the International Association for Semiotic Studies (IASS/AIS), Buenos Aires. Trayectorias. Tomo 2: Alteridades, Identidades. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Libros de Crítica., pp. 189-202. ISBN 978-987-47805-2-2. DOI: 10.24308/IASS-2019-2-018

A questão norteadora deste estudo se configura do seguinte modo: Como as intervenções publicitárias realizam a produção de sentido no espaço citadino a ponto de envolver e persuadir os indivíduos que com elas interagem? Esta pesquisa objetiva avaliar os modos pelos quais as estratégias mercadológicas interagem com os usuários da cidade a fim de conquistá-los e de edificar seu discurso comercial, analisando a intervenção em si e a sua capacidade de geração de sentido.

https://hdl.handle.net/10284/9580



A interação e o apelo publicitário nos espaços urbanos KULAK, Sergio Marilson & TORRES, Rui (2020). A interação e o apelo publicitário nos espaços urbanos: praia e areia como meios de comunicação. In: Actas del VII Congreso Internacional de la AE-IC ‘Comunicación y Diversidad’, 28 al 30 de octubre de 2020, Valencia, España, Asociación Española de Investigación de la Comunicación, Universidad Complutense de Madrid, pp. 546-572. ISBN: 978-84-09-20963-7

As propagandas dispersas nos espaços da cidade apresentam uma ampla capacidade de envolvimento dos indivíduos que usam do ambiente urbano para a sua vivência e, se essas peças se estabelecem em formatos não convencionais, seus discursos são potencializados. A presente pesquisa objetiva avaliar publicidades de formatos não convencionais categorizadas como ambient ad e creative medias para compreender como elas articulam seus discursos valendo-se de conceitos do marketing experimental para interagir e conquistar seus receptores.

https://hdl.handle.net/10284/9557



Diálogos e metamorfoses na ciberliteratura portuguesa, dos anos 1960 ao presente. TORRES, Rui & MARQUES, Diogo (2020). Diálogos e metamorfoses na ciberliteratura portuguesa, dos anos 1960 ao presente. In: Romance Notes, 60(1), pp. 145-53. DOI: 10.1353/rmc.2020.0016. ISSN: 0035-7995

Este artigo apresenta e discute a ciberliteratura produzida em Portugal desde os anos 1960, tendo como foco os diálogos e as metamorfoses em que se movimenta a invenção experimentalista. Embora a aventura pioneira de Pedro Barbosa, no final dos anos 1970, marque o início da utilização de algoritmos textuais que resultaram em experiências cibernéticas para síntese automática de poemas e aforismos, merece atenção crítica a forma como outros poetas portugueses, antes de Barbosa, transpuseram processos combinatórios e aleatórios para a realização de textos não computacionais, como é o caso de Herberto Helder, E. M. de Melo e Castro, Ana Hatherly e José-Alberto Marques.

https://doi.org/10.1353/



A ciberliteratura (re)velada: Perspectivas pedagógicas TORRES, Rui & FIGUEIREDO, César (2020). A ciberliteratura (re)velada: Perspectivas pedagógicas. In: Investigação-Experimentação-Criação: em Arte-Ciência-Tecnologia, ed. Diogo Marques e Ana Gago. Porto: Publicações Universidade Fernando Pessoa. pp. 75-112. ISBN: 978-989-643-163-1. ISSN: 1646-4435

Neste texto especulativo apresentam-se alguns trabalhos de ciberliteratura numa perspectiva pedagógica situada num futuro incerto (este: 2029). Ficção paródica, resulta, por um lado, de experiências na docência de seminários, cursos e oficinas de literatura electrónica e, por outro, de prática criativa envolvendo poemas digitais. Parte-se da hipótese de que no âmbito das escritas electrónicas não há uma diferença essencial entre prática pedagógica e criativa (...). Imagina-se por isso um futuro no qual o Plano Nacional de Leitura 2027 entra, finalmente, em vigor.

https://hdl.handle.net/10284/8875

https://po-ex.net/



The Cyberliterary Efficacy of Combinatory Literature in Urban Cishet University Students TORRES, Rui & MARQUES, Diogo (2020). The Cyberliterary Efficacy of Combinatory Literature in Urban Cishet University Students (or how to imagine a paper by programming an abstract). In: The Digital Review. Issue:00 Digital Essaysm. DOI: 10.7273/3vnt-my71

O que acontece se usarmos combinatória (programabilidade) e aleatoriedade (indeterminação) para escrever um ensaio que nunca é o mesmo, mas sim variável? Mais: e se compusermos um resumo generativo e aleatório apontando para artigos que nunca foram publicados ou sequer imaginados? O que aqui propomos é um "ensaio resumido" experimental que assume a forma de um esboço de possíveis artigos que nunca foram escritos. Composto por um título, um resumo (com objetivos, problema, métodos, resultados e conclusões) e um conjunto de palavras-chave, utilizará um léxico da teoria da e-lit e conceitos relacionados, sugerindo que o ensaísmo digital é uma performance de teoria.

https://doi.org/10.7273/



In Defense of the Difficult TORRES, Rui & TISSELLI, Eugenio (2020). In Defense of the Difficult. In: Electronic Book Review. DOI: 10.7273/y2vs-1949. ISSN: 1553-1139

Por que deveria a literatura eletrónica procurar tornar-se mainstream, quando o mainstream é, por excelência, o meio onde a cosmologia disruptiva da "Técnica" se reproduz? O mainstream é a escola que nos doutrina, leitores, escritores e académicos, a acreditar que não existem alternativas ao crescimento infinito e à competição acirrada, mesmo quando tais princípios estão escondidos atrás de uma máscara de abertura e inclusão.

https://doi.org/10.7273/



Editorial: Consciousness Reframed SÁ, Cristina; BALTAZAR, André & TORRES, Rui, orgs. (2020). Editorial: Consciousness Reframed. In: Journal of Science and Technology of the Arts, 12(1), pp. 1-2. DOI: 10.34632/jsta.2020.8212. ISSN: 1646-9798. e-ISSN: 2183-0088

Para quem entra em contato com o Consciousness Reframed pela primeira vez, sabemos que reunimos um conjunto de artigos que irão recebê-lo e envolvê-lo nas nossas indagações e pesquisas. Para os demais, esperamos que possam reavivar as discussões que surgiram no CR2019 e inspirar em futuras pesquisas.

https://doi.org/10.34632/



Diálogos entre Ernesto de Sousa e a Poesia Experimental Portuguesa TORRES, Rui (2020). Diálogos entre Ernesto de Sousa e a Poesia Experimental Portuguesa. In: Revista do Centro de Estudos Portugueses, 40(63), pp. 107-126. DOI: 10.17851/2359-0076.40.63.107-126. ISSN: 1676-515X. eISSN: 2359-0076

O objetivo deste artigo é apresentar a poesia experimental portuguesa através da identificação de certos ecos e nexos que as suas criações verbivocovisuais estabelecem com as propostas estéticas de Ernesto de Sousa, colocando-os por isso em diálogo. Pretende-se para isso focalizar o estudo do experimentalismo poético em vetores orientadores que acreditamos permitir uma abordagem mais adequada à multiplicidade e profusão do corpus disponível.

https://doi.org/10.17851/



fakephone4a(n)droid TORRES, Rui & KOZAK, Claudia (2019). Introdução dos editores. In: Fobias - Fonias - Fagias. Escritas Experimentais e Eletrónicas Ibero-Afro-Latinoamericanas, ed. Rui Torres & Claudia Kozak. Porto: Publicações Universidade Fernando Pessoa. pp. 9-13. ISBN: 978-989-643-155-6. ISSN: 1646-4435

O medo (Fobias), a voz (Fonias) e o diálogo (Fagias) são condições essenciais de sobrevivência num tempo marcado pela dúvida, mas também por novos agenciamentos e resistências. Na secção Fobias perguntamos: quem tem medo das línguas ibéricas, ibero-americanas/africanas e descolonizadas no Sul? A secção Fonias, por sua vez, está relacionada com a voz: ação, oper_ação, agenciamento. Somos voz e queremos fazer ouvir a nossa voz: resistência. Por fim, depois do sul e do sol, o sal. Fagias como em antropofagia (Oswald de Andrade), mas também uma invocação de autofagia, revisitação, transcodificação.

https://telepoesis.net/papers/



fakephone4a(n)droid TORRES, Rui (2019). fakephone4a(n)droid. In: Fobias - Fonias - Fagias. Escritas Experimentais e Eletrónicas Ibero-Afro-Latinoamericanas, ed. Rui Torres & Claudia Kozak. Porto: Publicações Universidade Fernando Pessoa. pp. 206-225. ISBN: 978-989-643-155-6. ISSN: 1646-4435

Ensaio visual acerca das variações dos meus Fakescripts. Em 2016, um fakescript em Basic, Java, C e Perl, exposto na parede de uma galeria no Porto. Posteriormente, em 2017, em Ponte de Lima, fakescripts em HTML impressos em papel autocolante transparente, colados em bancos de jardim. Em 2017, em Kassel, novos fakes impressos em almofadas. Por fim, em 2019, em Barcelona, um telefone móvel falso: um fakephone4a(n)droid, um híbrido, um objecto mixed-media.

https://telepoesis.net/papers/



Leitura: Teoria & Prática TORRES, Rui; MACHADO, Ana Maria; ALBUQUERQUE E AGUILAR, Ana; ANDRADE, Júlia; ESTEFANI, Thales & PEREIRA, Luís Lucas. (2019). Literatura eletrónica para crianças: o caso do projeto “Murais e Literatura: A Criação Digital em Contexto Educativo”. In: Leitura: Teoria & Prática - Associação de Leitura do Brasil (ALB), 37(75). pp. 39-66. DOI: 10.34112/2317-0972a2019v37n75p39-66. e-ISSN: 2317-0972. ISSN: 0102-387X

Este artigo tem como objetivo apresentar e descrever um projeto de literatura eletrónica para crianças, propondo um contexto de enquadramento, posteriormente aplicando os conceitos apresentados a uma literatura digital infantil. Na descrição do projeto, abordam-se as estratégias de exploração didático-pedagógica do mesmo, propondo um modelo que possa vir a ser adotado em contextos escolares diferenciados.

https://doi.org/10.34112/



Electronic Book Review TORRES, Rui (2019). Humor and Constraint in Electronic Literature. In: Electronic Book Review. DOI: 10.7273/ak6v-pv72. ISSN: 1553-1139

Ensaio informal, com muitas perguntas e poucas respostas, elaborado a partir de notas de uma conferência plenária na ELO 2018 em Montreal, experimentando uma espécie de performance da teoria. Este é um relato incompleto acerca do uso do humor e dos processos de constrangimento na literatura eletrônica, sendo o meu objetivo criar uma narrativa que sinalize como o humor está relacionado com a restrição na arte e na tecnologia.

https://doi.org/10.7273/



Outro Outro TORRES, Rui (2019). Outra Outra [Prefácio]. In: Tavares, Salette. Outro Outro. Lisboa: Tigre de Papel. pp. 7-13. ISBN 978-989-99974-5-5

O cinema assume um papel expressivo nesta narrativa, contíguo a idêntico fascínio da autora pela música electrónica e contemporânea, formas que ajudam a compreender os ritmos, as voltas e os contratempos que o título, «Outro Outro», tão bem denota. «Outro Outro» executa, pela escrita, certos princípios da montagem cinematográfica e da polirritmia musical.

https://hdl.handle.net/10284/7638



Pensar a Imagem Olhar o Texto TORRES, Rui (2019). Pensar o texto é ler a imagem é recriar o texto-imagem. In: RODRIGUES, Estela Vieira. Pensar a Imagem Olhar o Texto. Experimentos poéticos na educação de infância. Porto: Edições Afrontamento. pp. 19-22. ISBN: 978-972-36-1741-2

O livro de Estela Rodrigues parece situar-se no âmbito de uma prática de leitura expansiva, ou centrífuga, isto é, de leitura através da escrita. E a prática pedagógica da autora é radical: em relação ao conceito de leitura que operacionaliza, mas também no que se refere à própria re-escrita que executa.

https://hdl.handle.net/10284/7528



Comportamento e Saúde Mental. Dicionário Enciclopédico TORRES, Rui (2019). Pós-humano. In: Nunes, Laura M.; Fonte, Carla; Pimentel Alves, Sónia; Sani, Ana Isabel; Estrada, Rui ; Caridade, Sónia, coords. Comportamento e Saúde Mental. Dicionário Enciclopédico. Lisboa: Pactor. pp. 371-373. ISBN 978-989-693-086-8

O pós-humano designa um pensamento crítico emergente, resultante da crescente hibridização entre corpo e tecnologia, sinalizando uma oportunidade para repensar o próprio humano, o qual não é entendido como estável e unívoco, mas antes considerado descontínuo e imperfeito, integrando o múltiplo e o heterogéneo.

https://www.pactor.pt/



MATLIT LEITE, Luis; TORRES, Rui & ALY, Luis (2018). Common Spaces: Multi-Modal-Media Ecosystem for Live Performances. In: MATLIT: Materialities of Literature, 6(1), pp. 187-198. DOI: 10.14195/2182-8830_6-1_13. ISSN: 2182-8830

Common Spaces é uma interface para convergência de média em tempo real e performance ao vivo combinando média, aplicações e dispositivos. Um ecossistema multimodal foi projetado para responder ao requisito de um desempenho específico - como misturar várias aplicações num único ambiente. Esse ambiente colaborativo oferece uma interface flexível para artistas negociarem, compartilharem e misturarem média, aplicações e dispositivos.

https://doi.org/10.14195/



Po-Ex.Net TORRES, Rui (2018). Viva o Abílio! In: Catálogo da exposição “O guardador de nada”, com obras de Abílio-José Santos, Associação dos Jornalistas e Homens do Porto, Porto.

Abílio, esse desconhecido... Um homem simples, dirão alguns simplórios. Sim, Simples, humilde: a simplicidade que permite criar obras livres, densas, inquietantes e complexas... Complexas talvez demais? Quem tem medo de Abílio? Viva o Abílio!

https://po-ex.net/



«Inflammatio», de António Barros TORRES, Rui (2018). «Inflammatio», de António Barros.In: Catálogo da exposição Inflammatio, de António Barros Coimbra, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra.

Há algo na ausência de cor na obra de António Barros que inquieta. Um luto e uma morte que logo se transfiguram em luta e amor. Preto branco de onde emana a luz: obra iluminada pelo poder criador da poesia, iluminando a perceção de quem a toca com o olhar. Um olhar logo transfigurado pela catarse, uma libertação operada pelo fogo: uma purificação pela combustão, uma penitência.

https://hdl.handle.net/10284/7005

https://capc.com.pt/



OEI TORRES, Rui (2018). Dialogue and openness in Portuguese Experimental Poetry. In: OEI # 80–81 - The zero alternative: Ernesto de Sousa and some other aesthetic operators in Portuguese art and poetry from the 1960s onwards, ed. Jonas Magnusson & Cecilia Grönberg, Stockholm, Sweden. pp. 447-454. ISSN: 1404-5095; ISBN: 978-91-88829-01-6.

A miríade de práticas textuais associadas à Poesia Experimental Portuguesa (formas de poesia concreta, visual, espacial, sonora e vídeo, mas também performances e happenings, bem como poesia digital) realça a difícil tarefa de encontrar caminhos com coordenadas estéticas coesas. As classificações e taxonomias são invariavelmente incompletas e insuficientes. Estas práticas, ou 'operações' particulares, como defende Ernesto de Sousa a propósito da obra de Melo e Castro, colocam-nos perante "uma nova dimensão, a qual resulta de uma nova análise", articulada "na ausência de certas etiquetas".

https://hdl.handle.net/10284/7366



Ofício Múltiplo – Poetas em Outras Artes TORRES, Rui (2017). Itinerários do som: Miguel Azguime, uma arte literária dos meios. In: Ofício Múltiplo – Poetas em Outras Artes, ed. Joana Matos Frias, Pedro Eiras, Rosa Maria Martelo. Porto: Edições Afrontamento, Colecção Fronteiras do Conhecimento / Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. pp. 273-284. ISBN: 978-972-36-1632-3

Miguel Azguime investe a sua energia criativa em múltiplos ofícios: é performer/poeta, investigador/divulgador, compositor/intérprete. Este itinerário que aqui proponho, através da presença do som na ausência do autor/actor, será baseado numa reflexão acerca da sua ópera electroacústica O Itinerário do Sal, onde se verifica uma convergência de escritas híbridas que resultam do cruzamento dos ofícios elencados.

https://hdl.handle.net/10284/7004



De Poesia TORRES, Rui (2017). Comissariat d’arxius digitals: interoperabilitat i apropriació a Po-ex.net // Curating Digital Archives: Interoperability and Appropriation @ PO-EX.NET. In: De poesia. Arxius, poètiques i recepcions, ed. Marc Audí, Glòria Bordons, Lis Costa, Eva Figueras Ferrer, Mar Redondo-Arolas. Barcelona: Universitat Barcelona. pp. 29-46 // pp. 311-326. ISBN: 978-84-475-4127-0

A complexidade inerente às bases de dados multimodais constitui um desafio em termos de estruturação e interoperabilidade. No entanto, também estimula a tradução de dados organizados em interfaces melhoradas e adaptáveis. Utilizando como enquadramento o Arquivo Digital de Literatura Experimental Portuguesa (www.po-ex.net), descreverei possíveis estratégias de curadoria de arquivos digitais, através da apropriação e remistura de conteúdos de bases de dados, permitindo reinterpretações artísticas e criativas de obras literárias experimentais e electrónicas.

https://hdl.handle.net/10284/6664 (Català)

https://hdl.handle.net/10284/6666 (English)



Cibertextualidades 8 - Videojogos TORRES, Rui & PETRY, Luis Carlos (2017). Videojogos: Fundamentos e Aplicações. In: Cibertextualidades, 8. Videojogos. Porto, Ed. UFP, p. 9-10. ISSN: 1646-4435.

Os estudos de jogos, digitais ou não digitais, revelam-se cada vez mais, e também na academia, como uma área emergente e crítica, suscitando o interesse e a reflexão das ciências humanas e sociais. O conjunto de textos que formam este volume sinalizam algumas dessas reflexões, assim como as preocupações que as prácticas criativas e pedagógicas, onde os videojogos são usados experimentalmente, levantam.

https://hdl.handle.net/10284/6004



Cibertextualidades 8 - Videojogos TORRES, Rui & BARBOSA, Pedro (2017). Materialidade e transdimensionalidade nas novas textualidades electrónicas: uma transição de paradigma? [Entrevista de Rui Torres (RT) a Pedro Barbosa (PB), Março de 2016]. In: Cibertextualidades, 8. Videojogos. Porto, Ed. UFP, p. 141-162. ISSN: 1646-4435.

Conversa com Pedro Barbosa: «O nosso livre-arbítrio é muito restrito, muito relativo: se a filosofia nunca chegou a acordo nisto é porque usa uma lógica dicotómica, do sim e do não entre dois absolutos. Mas hoje, mais do que nunca, precisamos de lógicas modais. No entanto, para habitarmos este mundo da densidade matérica, precisamos desse “escafandro” a que chamamos corpo físico, e dentro dele estamos reduzidos a determinadas estruturas de pensamento lógico, às noções de espaço e de tempo, e sobretudo a esta modalidade que nos limita muito, que é uma visão do tempo linear, como passado-presente-futuro.»

https://hdl.handle.net/10284/6014



Hyperrhiz: New Media Cultures BALDWIN, Sandy &TORRES, Rui (2017). e-Lit Jazz. In: Hyperrhiz: New Media Cultures, 17. DOI: 10.20415/hyp/017.g01. ISSN: 1555-9351.

O ensaio generativo e combinatório que aqui se apresenta é uma improvisação da teoria da literatura eletrónica (e-lit). Mais especificamente, “e-Lit Jazz” trata de re-situar a e-lit em termos de jazz, mas também de "riffar" a e-lit, abordando a e-lit como jazz. Esta teoria da performance assume múltiplas formas, como é o caso de uma improvisação.

https://doi.org/10.20415/



Libretos - Materiais para o Fim do Mundo TORRES, Rui (2017). O Fim do Princípio do Fim de... In: Libretos - Materiais para o Fim do Mundo, 7. Porto, Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. pp. 17-29. DOI: 10.21747/9789899937574/fimdomundo7. ISBN 978-989-99375-7-4

«Para estudar o imaginário do fim do mundo, o Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa organiza, desde 2013, uma série de seminários abertos, coincidindo com os equinócios e os solstícios. Os libretos Materiais para o Fim do Mundo recolhem alguns ensaios apresentados nesses seminários, ou textos afins. Rui Torres interroga os conceitos de fim, início e ciclo, a literatura entre o modelo clássico do livro e a deriva cibernética, cruzando Cortázar com Gaiman, Herberto com Batman – num texto experimental, em diálogo com um processador aleatório de texto.»

https://www.ilclivrosdigitais.com/



Colóquio/Letras 193 TORRES, Rui & SEIÇA, Álvaro (2016). O Experimentalismo como Invenção, Transgressão e Metamorfose. In: Colóquio/Letras, 193. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. pp 9-17. ISSN: 0010-1451

O experimentalismo português foi, e continua a ser, marcado por três vectores: invenção, transgressão e metamorfose. A experimentação do processo criativo — entendida como invenção e provocação, mas também como transgressão e denúncia — atingia focalmente a enunciação discursiva das criações literárias e artísticas.

https://hdl.handle.net/10284/6582



eLyra - Revista da Rede Internacional Lyracompoetics TORRES, Rui & MINISTRO, Bruno (2016). Húmus: Colagem; Montagem; Recombinação.

In: eLyra - Revista da Rede Internacional Lyracompoetics, 7, Poesia e Colagem, org. J. Matos Frias & S. de Sousa Silva. pp. 151-176. DOI: 10.21747/21828954/ely7a9. ISSN: 2182-8954

Pretende-se com este artigo evidenciar o diálogo estabelecido por Herberto Helder, no seu poema Húmus – Poema Montagem, com a narrativa Húmus de Raul Brandão, através de exemplos dos processos de colagem e combinação textual levados a cabo no poema. Descreve-se ainda, de um modo exploratório, a forma como Húmus – Poema Contínuo, experiência recombinatória com ambas as obras realizada no âmbito da Ciberliteratura com recurso ao motor textual Poemário, promove a contínua metamorfose textual dessas criações, problematizando a materialidade da linguagem e as metamorfoses ininterruptas da significação.

https://www.elyra.org/index.php/elyra/



Gerador de Homeóstatos TORRES, Rui & FERREIRA, Nuno (2016). Gerador de Homeóstatos. In: Texto Digital, 12(1). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. pp. 171-183. DOI: 10.5007/1807-9288.2016v12n1p171. ISSNe: 1807-9288

Descrição de um motor textual combinatório em 10 versões, a partir dos Homeóstatos 1-9 e A de José-Alberto Marques. Em cada uma das variações generativas (linhas, versos), pode ainda o leitor clicar para gerar indeterminados e variáveis homeóstatos. O Homeóstato N permite inserir texto livre, criando homeóstatos a partir do léxico seleccionado.

https://periodicos.ufsc.br/index.php/textodigital/



Antero de Alda, Oceanografias (a memória da água) TORRES, Rui (2016). A poesia, escrita da memória. In: Antero de Alda, Oceanografias (a memória da água). Amarante, GALÁPAGOS – Fábrica de poesia, pp. 3-6. ISBN: 978-989-99082-4-6

Que poemas temos, então, entre as mãos? Aqueles que se manifestam em papel, nesta edição limitada? Ou os quase infinitos, previstos no código que os acompanha? Essa dúvida e essa questão, por muito inquietantes que sejam, são a chave da leitura da poesia possível: aí encontrará o leitor uma memória líquida de poemas esquecidos tornados agora habitação, com seu código genético.

https://hdl.handle.net/10284/6598



ENTER+ Creative Manual for Repurposing in Electronic Literature TORRES, Rui (2015). Poems in the Middle of the Road. In: Enter, 18, Remix of redefined repurposing of recombined remix // ENTER+ Creative Manual for Repurposing in Electronic Literature, ed. María Mencía & Zuzana Husárová, Slovakia, Dive Buki. pp. 68-73. ISSN: 1338-1946. ISBN: 978-80-89677-05-4

Ensaio visual misturando capturas de tela dos Poemas no meio do caminho, código Actionscript, HTML e CSS, e marcação lexical em XML.

http://www.divebuki.sk/en/enter-magazine/



ESC:ALA TORRES, Rui (2015). Densidade endereçada: uma leitura de Coisas_Reais, de António Barros. In: ESC:ALA - Revista electrónica de estudos e práticas interartes, 5. Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. ISSN: 2183-1823

Antes de avançar nesta leitura de aproximação (sempre difícil, sempre adiada…) às obras dispostas na exposição Coisas_Reais, interessa situar esta variedade de expressividades: que nos tocam, magoam por vezes, como que suturando feridas, as aporias da condição existencial que vivemos. E, talvez simplificando, julgo que podemos identificar três aspectos estruturantes [na obra de António Barros].

http://hdl.handle.net/10284/6588



Cibertextualidades 7 - Estudos sobre António Aragão TORRES, Rui (2015). Introdução - Estudos sobre António Aragão.. In: Cibertextualidades, 7, Estudos sobre António Aragão. Porto, Edições UFP, pp. 9-10. ISSN: 1646-4435.

Cinquenta anos depois das primeiras actividades colectivas da Poesia Experimental Portuguesa (PO.EX), a revista Cibertextualidades apresenta um número totalmente dedicado ao estudo da obra de António Aragão, autor madeirense (1921-2008) cuja produção artística inclui pintura, poesia, ficção e teatro.

https://hdl.handle.net/10284/4700



INTERACT – Revista online de arte, cultura e tecnologia TORRES, Rui (2015). Voz Verbal Vocal: Poesia sonora de Américo Rodrigues. In: INTERACT – Revista online de arte, cultura e tecnologia, 22, Sonoridades. Lisboa, Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens, UNL. ISSN: 2182-1402

Américo Rodrigues tem desenvolvido um labor e um laboratório de experimentação com a sua voz, em espectáculos ao vivo e em gravações, como é o caso deste mais recente disco-objecto, Porta-Voz. A sua obra situa-se, por isso, no cruzamento entre palavra e som (as palavras são sons): a sua obra é simultaneamente sónica e vocal.

https://revistainteract.pt/



Salette Tavares, Poesia Espacial TORRES, Rui (2015). Salette Tavares e a Poesia Experimental Portuguesa. In: Salette Tavares. Poesia Espacial, org. Ana Margarida Brito Alves & Patrícia Rosas. Lisboa: Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian. pp. 25-35. [Also published in English, “Salette Tavares and Experimental Portuguese Poetry”, pp. 151-161]. ISBN: 978-972-635-292-1

O experimentalismo literário português dos anos 1960 a 1980, período durante o qual Salette Tavares nele participou, é especificamente caracterizado pela descoberta dos conceitos de informação e estrutura. Trata-se, desde logo, de uma poesia que revela um entendimento semiótico acerca do texto e da textualidade.

https://hdl.handle.net/10284/6627



Cibertextualidades 6 - Interacção de Linguagens e Convergência dos Média nas Poéticas Contemporâneas ASCENSÃO, Ana Teresa; BABO, Maria Augusta & TORRES, Rui (2014). O hipertexto na cultura contemporânea: do fim da linearidade à abertura conceptual. In: Cibertextualidades, 6, Interacção de Linguagens e Convergência dos Média nas Poéticas Contemporâneas, Org. Jorge Luiz Antonio & Débora Silva. Porto, Ed. UFP, pp. 121-138. ISSN: 1646-4435

Numa aproximação semiótica, estuda-se, neste capítulo, o modo como as novas formas de produção e difusão de conhecimento realizadas a partir da reconfiguração do espaço influenciaram uma mudança de paradigma no pensamento contemporâneo, apontando uma nova realidade nos sistemas discursivos.

https://hdl.handle.net/10284/4690



New Literary Hybrids in the Age of Multimedia Expression. Crossing borders, crossing genres TORRES, Rui; PORTELA, Manuel & SEQUEIRA, Maria do Carmo Castelo Branco (2014). Methodological Rationale for the Taxonomy of the PO.EX Digital Archive. In: CORNIS POPE, M., ed., New Literary Hybrids in the Age of Multimedia Expression. Crossing borders, crossing genres [CHLEL XXVII]. Amsterdam and New York: John Benjamins Publishing Company, p. 42-55. DOI: 10.1075/chlel.xxvii.02tor. ISBN: 978-902-723-463-6

A criação de uma taxonomia para organizar e classificar um conjunto diversificado de materiais como os que constituem o arquivo digital da Poesia Experimental Portuguesa (que inclui Performance, Poesia Digital, Concreta, Espacial, Sonora, Vídeo e Visual) constitui um desafio ao investigador. O objetivo deste artigo é oferecer uma breve fundamentação para as nossas decisões e explicar e ilustrar o nosso sistema de classificação.

https://doi.org/10.1075/

https://hdl.handle.net/10284/6649



PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia TORRES, Rui & BALDWIN, Sandy (2014). Introduction. PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia. In: PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia by Pedro Barbosa, Ana Hatherly, and E.M. de Melo e Castro, ed. Rui Torres & Sandy Baldwin. Morgantown, WV: Center for Literary Computing. pp. xiii-xxiii. ISBN: 978-1-938228-74-2

"PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia" é uma obra radical e polémica. É polémica ao deslocar e re-situar visões e histórias aceites acerca da literatura eletrónica. É radical ao ir às raízes dos seus temas, fornecendo um relato sistemático e persuasivo da ciberliteratura e da intermédia. Por tudo isso, é um livro generoso.

https://po-ex.net/



PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia TORRES, Rui (2014). The dead must be killed once again: Plagiotropia as Critical Literary Practice. In: PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia by Pedro Barbosa, Ana Hatherly, and E.M. de Melo e Castro, ed. Rui Torres & Sandy Baldwin. Morgantown, WV: Center for Literary Computing. pp. 193-210. ISBN 978-1-938228-74-2

Húmus de Herberto Helder (1967) é reconhecido pela citação direta do romance homónimo de Raul Brandão, de 1921. Contudo, a obra de Helder é mais do que a simples sugestão intertextual de um texto: transforma-o, põe em movimento o seu poder latente, reavivando-o. Para explorar criativamente as relações plagiotrópicas entre a obra de Helder e Brandão, empenhamo-nos na nossa própria experiência de plagiotropia, na criação de uma terceira obra. O gerador de texto, também intitulado Húmus, baseia-se nos seus antecessores como bases de dados, permitindo aos leitores reler a tradição e conceptualizar as ligações entre os seus antepassados históricos.

https://po-ex.net/



Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias TORRES, Rui (2014). Introdução. Poesia Experimental Portuguesa. In: Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias, org. R. Torres, Porto, Edições UFP. pp. 5-8. ISBN: 978-989-643-121-1

O experimentalismo literário apresenta-se ciclicamente ao longo da história da literatura, correspondendo a uma prática, mais do que um período literário específico. Na segunda metade do século XX, o experimentalismo poético português, marcado pela descoberta da poesia visual e concreta internacional, levou um grupo de poetas a escolherem a designação de Poesia Experimental (PO.EX) para catalogar as suas actividades.

https://www.po-ex.net/pdfs/



Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias TORRES, Rui (2014). Visualidade e Expressividade Material na Poesia Experimental Portuguesa. In: Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias, org. R. Torres, Porto, Edições UFP. pp. 9-31. ISBN: 978-989-643-121-1

A história do movimento da poesia experimental portuguesa está ainda por fazer, mas parece viável afirmar que nos últimos anos têm aumentado significativamente o interesse e os estudos sobre o tema, tanto a nível nacional quanto internacional.

https://po-ex.net/



Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias TORRES, Rui (2014). Poema-objecto em Salette Tavares. In: Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias, org. R. Torres, Porto. pp. 137-152. ISBN: 978-989-643-121-1

Salette Tavares (1922-1994) dedicou a sua vida à arte e à escrita. Estas duas actividades estão de tal modo interligadas que se pode dizer que a compreensão de uma passa necessariamente pelo conhecimento da outra. De uma forma semelhante, também na sua obra, poesia e teoria comunicam e informam-se mutuamente.

https://po-ex.net/



Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias TORRES, Rui; PORTELA, Manuel & SEQUEIRA, Maria do Carmo Castelo Branco (2014). Justificação metodológica da taxonomia do Arquivo Digital da Literatura Experimental Portuguesa. In: Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias, org. R. Torres, Porto, Edições UFP. pp. 203-212. ISBN: 978-989-643-121-1

A criação de uma taxonomia para organizar e classificar um conjunto diversificado de materiais como os que constituem o arquivo digital da Poesia Experimental Portuguesa (que inclui Performance, Poesia Digital, Concreta, Espacial, Sonora, Vídeo e Visual) constitui um desafio ao investigador. O objetivo deste artigo é oferecer uma breve fundamentação para as nossas decisões e explicar e ilustrar o nosso sistema de classificação.

https://po-ex.net/



Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias TORRES, Rui (2014). De poemas e obgestos: oito parágrafos para uma aproximação às artitudes de António Barros. In: Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias, org. R. Torres, Porto, Edições UFP. pp. 192-194. ISBN: 978-989-643-121-1

A dimensão política e ética das obras efémeras de António Barros permite alcançar o estatuto poelítico de grande parte do experimentalismo literário, mas a comum conceptualização do experimentalismo não basta para as compreender: elas requisitam às poéticas um certo número de silêncios, mais do que ensinamentos.

https://po-ex.net/



Literatura & Jogo: narrativas, discursos, representações e mitos SILVA, Susana; TORRES, Rui & SIMÕES, Elsa (2014). A comunicação lúdica no anúncio publicitário: o jogo discursivo com o leitor. In: Literatura & Jogo: narrativas, discursos, representações e mitos, org. Isabel Patim, Daniel Seabra, Rui Estrada & Fernando Hilário. Lisboa, Esfera do Caos Editores. pp. 305-317. ISBN: 978-989-680-114-4

A publicidade oferece-se enquanto espaço de jogo e estratégia de sedução. Partindo de uma análise da linguagem e da sua expressividade na construção e na valorização do anúncio, impõe-se perceber de que forma o texto publicitário convoca o leitor.

https://hdl.handle.net/10284/6605



Entre Centros e Margens. Textos e práticas das novas interculturas TORRES, Rui (2013). Do Texto Digital ao Cibertexto: Percursos de Escrileitura. In: Entre Centros e Margens. Textos e práticas das novas interculturas, org. Clara Sarmento. Porto, Centro de Estudos Interculturais / Edições Afrontamento, pp. 105-124. ISBN: 978-972-36-1325-4

A ciberliteratura promove a experimentação e o jogo, redimensionando conceitos como os de texto e interpretação. Laborando na senda das vanguardas históricas e dentro do espaço inaugurado pelo experimentalismo universal e intemporal da escrita, da imagem e do som, a ciberliteratura permite ainda uma renovação da própria noção de meio e de materialidade da literatura.

https://hdl.handle.net/10284/6604



ACM International Conference Proceeding Series MÕTTUS, Mati; LAMAS, David; PAJUSALU, Maarja & TORRES, Rui (2013). The evaluation of interface aesthetics. In: ACM International Conference Proceeding Series. International Conference on Multimedia, Interaction, Design and Innovation, MIDI 2013; Warsaw; Poland. DOI: 10.1145/2500342.2500345. ISBN: 978-1-4503-2303-1

Este artigo baseia-se na contribuição do design visual para a experiência do usuário como base para abordar os métodos de avaliação da estética visual. A intenção do estudo é testar métodos de avaliação objetivos e subjetivos com os mesmos objetos para comparação.

https://dx.doi.org/10.1145/



Cibertextualidades 5 - Electronic Publishing Models for Experimental Literature TORRES, Rui & PORTELA, Manuel, orgs. (2013). Electronic Publishing Models for Experimental Literature In: Cibertextualidades, 5. Porto, Ed. UFP, pp. 9-13. ISSN: 1646-4435

O quinto volume da revista Cibertextualidades inclui artigos de pesquisa sobre processos e métodos de representação, preservação e disseminação de práticas literárias intermedia e multimédia usando sistemas de arquivo digital. O tema geral deste número foi estruturado em três tópicos principais, que tentaremos aqui resumir e contextualizar brevemente.

https://hdl.handle.net/10284/3863



Texto Digital 8(2) - Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura SANTOS SILVA, Débora Cristina dos & TORRES, Rui (2012). Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura - Apresentação dos organizadores. In: Texto Digital, 8(2), Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura. Santa Catarina, UFSC, Brasil, pp. 224-228. DOI: 10.5007/1807-9288.2012v8n2p224. ISSNe: 1807-9288

Considerando-se que os processos de elaboração e divulgação do texto literário e das produções artísticas têm-se alterado substancialmente nas últimas décadas, a Revista Texto Digital apresenta este Dossiê temático que tem como objetivo delinear os percursos metodológicos para o estudo da produção e da recepção de literatura eletrônica, das artes e mídias interativas.

https://doi.org/10.5007/



Texto Digital 8(2) - Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura TORRES, Rui (2012). Sustentabilidade e entropia na geração textual variacional: PoemAds – sob o signo da devoração. In: Texto Digital, 8(2), Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura. Santa Catarina, UFSC, Brasil, pp. 361-375. DOI: 10.5007/1807-9288.2012v8n2p361. ISSNe: 1807-9288

Descrição e contextualização teórica de PoemAds, programado a partir da conjugação de vários slogans publicitários, constituindo dessa forma uma plagiotropia e uma devoração da publicidade actual. O léxico que alimenta estes processos foi tratado e seleccionado a partir de aproximadamente 10.000 anúncios publicitários e propagandísticos em língua portuguesa.

https://doi.org/10.5007/



Texto Digital 8(2) - Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura TORRES, Rui (2012). Das cantigas como processos combinatórios - protótipo de um trabalho de geração textual e intertextual a partir da poesia dos Cancioneiros e de releitura de Salette Tavares. In: Texto Digital, 8(2), Textualidades em mídias digitais: estéticas intermídia e ciberliteratura. Santa Catarina, UFSC, Brasil, pp. 390-392. DOI: 10.5007/1807-9288.2012v8n2p390. ISSNe: 1807-9288

O objectivo deste trabalho, provisoriamente intitulado "Cantiga", é lançar as bases de um projecto que possa apresentar, comparar e agenciar, por via da intertexualidade e da participação, um diálogo entre cantigas medievais (a poesia do trovadorismo) e algumas releituras que delas foram feitas por poetas portugueses contemporâneos (no âmbito do experimentalismo literário português, neste caso, um poema de Salette Tavares).

https://dx.doi.org/10.5007/



Non-Lyric Discourses in Contemporary Poetry TORRES, Rui (2012). Arquivos Digitais e Literatura Experimental: Pressupostos e Constrangimentos. In: Non-Lyric Discourses in Contemporary Poetry, org. Burghard Baltrusch & Isaac Lourido. München, Martin Meidenbauer [Peter Lang], pp. 79-85. ISBN: 978-3-89975-289-2

O texto electrónico, caracterizado pela multiplicidade de matrizes onde convergem processos de abertura e de variabilidade, obriga-nos a repensar o modo como arquivamos, disseminamos e preservamos a produção literária realizada em meio digital.

https://www.peterlang.com/



Journal of Artists' Books 32 TORRES, Rui & PORTELA, Manuel (2012). Bibliography of Portuguese Experimental Poetry. In: Journal of Artists' Books, 32. Columbia College Chicago Center for Book & Paper Arts, pp. 32-35. ISSN: 1085-1461

Esta bibliografia não pretende ser exaustiva, mas inclui manifestações da literatura experimental portuguesa como: concretismo, poesia visual, poemas gráficos, ficção experimental, livros de artista e objetos poéticos. Também fornecemos referências a algumas das exposições, revistas e antologias mais relevantes.

https://hdl.handle.net/10284/6586



Journal of Artists' Books 32 TORRES, Rui (2012). Visuality and Material Expressiveness in the Portuguese Experimental Poetry. In: Journal of Artists' Books, 32. Columbia College Chicago Center for Book & Paper Arts, pp. 9-20. ISSN: 1085-1461

Neste ensaio examinarei a obra de um grupo de poetas portugueses, alinhados com o movimento internacional de poesia concreta, que estiveram activos na segunda metade do século XX e designaram as suas actividades como POesia Experimental (PO.EX).

https://hdl.handle.net/10284/6585



Romance Notes 51(3) - Literature and Media TORRES, Rui (2012). Forward: Literature and Media. In: Romance Notes, 51(3). Chapel Hill, UNC Press, pp. 269-270. DOI: 10.1353/rmc.2011.0031. ISSN: 0035-7995

Os quatro primeiros artigos deste número são dedicados a LITERATURA E MÉDIA. O uso de computadores nas humanidades em geral e nos estudos literários em particular levanta desafios revigorantes aos papéis tradicionais de estudantes, professores e teóricos.

https://doi.org/10.1353/



Electronic Book Review TORRES, Rui (2012). “The dead must be killed once again”: Plagiotropia as Critical Literary Practice. In: Electronic Book Review. ISSN: 1553-1139

«Rui Torres acompanha a prática do empréstimo intertextual ou “plagiotropia” entre as obras dos poetas experimentais portugueses. A plagiotropia é uma prática tangível e fecunda na poesia digital, onde os textos poéticos migram e crescem através dos média. Os argumentos de Torres culminam num estudo da sua própria ciberpoesia combinatória online, que reescreve criativamente trabalhos experimentais pré-digitais anteriores.»

https://electronicbookreview.com/



Signos do Consumo 3(1) SILVA, Susana P. & TORRES, Rui (2011). A fantasia enquanto ritual e apelo publicitário: Uma proposta de Análise Intertextual. In: Signos do Consumo, 3(1). ECA-USP, pp. 6-21. DOI: 10.11606/issn.1984-5057.v3i1p6-27. ISSN: 1984-5057

A fantasia é observada enquanto uma dimensão de evasão para onde o indivíduo se projecta, através da promessa idílica do consumo feita pela publicidade. A análise de alguns anúncios demonstra de que forma a intertextualidade surge como uma estratégia privilegiada que convoca o leitor ao texto publicitário, remetendo-o para um universo de referências e textos inscritos na sua memória e na sua cultura, estimulando a imaginação e o despertar da fantasia.

https://hdl.handle.net/10284/3444



Comunicação e Sociedade, 19 SILVA, Susana P.; TORRES, Rui & GALHARDO, Andreia (2011). O ritual da comunicação e o ritual do consumo: novas tribos, novos rituais. In: Comunicação e Sociedade, 19. Braga, Universidade do Minho, pp. 301-315. DOI: 10.17231/comsoc.19(2011).913. ISSN: 1645-2089

Este artigo aborda a condição dos objectos enquanto signos produzidos pelo discurso publicitário, promovendo uma reflexão sobre as relações que se estabelecem entre comunicação, consumo e publicidade.

https://hdl.handle.net/10284/3449



Concepções e Práticas de Ensino num Mundo em Mundança. Diferentes Olhares para a Didática SANTOS E SILVA, Débora Cristina & TORRES, Rui (2011). Pesquisa e mediação pedagógica no ensino de literatura em meio digital. In: Concepções e Práticas de Ensino num Mundo em Mundança. Diferentes Olhares para a Didática, org. José Carlos Libâneo, Mariliza V. R. Suanno & Sandra V. Limonta. Goiás, Editora da PUC Goiás, pp. 143-160. ISBN: 978-85-64604-02-5

Muitos desafios ao ensino de literatura tem-se configurado diante do novo contexto que se nos apresenta com o crescimento e a difusão dos meios digitais, que favorecem o intercâmbio intermédia e tornam a tarefa pedagógica muito mais complexa.

https://drive.google.com/



Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UFP, 7 TORRES, Rui & SANTOS E SILVA, Débora Cristina (2011). Teoria da Informação e Concepção Poética em Salette Tavares. In: Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UFP, 7 (2010). Porto, Ed. UFP, pp. 240-251. ISSN: 1646-0502

Neste artigo, apresentamos as considerações de Salette Tavares a respeito da aplicação da teoria da informação à percepção estética, de Abraham Moles, num momento em que se debruçava sobre o seu próprio processo de criação e comunicação literária.

https://hdl.handle.net/10284/2824



Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UFP, 7 TORRES, Rui (2011). Um Corvo Nunca Mais. In: Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UFP, 7. Porto, Ed. UFP, pp. 54-63. ISSN: 1646-0502

Apresentação do trabalho interactivo Um corvo nunca mais [programado a partir da tradução de Fernando Pessoa de «O Corvo», da autoria de Edgar A. Poe], no qual procedimentos combinatórios, generativos e multimediáticos são aplicados com o objectivo de criar variações orientadas pela leitura do utilizador.

https://hdl.handle.net/10284/2801



Arizona Journal of Hispanic Cultural Studies, 14 TORRES, Rui (2011). Preservación y diseminación de la literatura electrónica: por un archivo digital de literatura experimental. In: Arizona Journal of Hispanic Cultural Studies, 14. Tucson, The University of Arizona Press, pp. 281-298. DOI: 10.1353/hcs.2011.0420. ISSN: 1096-2492

Apresento neste artigo alguns exemplos de literatura eletrónica de Portugal e do Brasil que, pelas suas características formais, problematizam a sua possibilidade de divulgação e preservação. Discuto ainda tanto as técnicas de programação literária como as formas adequadas para a sua preservação e divulgação como informação digital.

https://doi.org/10.1353/



Poetica: An International Journal of Linguistic-Literary Studies, 74 TORRES, Rui (2010). Concrete Poetry in Portugal: Experimentalism and Intermediality. In: Poetica: An International Journal of Linguistic-Literary Studies, 74, Concrete Poetry: An International Debate, org. Tomoyuki Iino & Steve Clark, pp. 31-45. Tokyo, Japan: Yushudo Press. ISSN: 0287-1629; ISBN: 978-4-8419-0576-2

A poesia concreta não constitui um movimento organizado em Portugal. Em vez disso, há que considerar um conjunto de experimentações poéticas portuguesas contemporâneas realizadas por vários poetas que se aproximam, num determinado momento, da estética do concretismo. Esta característica distintiva do contexto português é delineada neste artigo numa perspectiva comparatista, situando a poética e a política do experimentalismo no contexto internacional da poesia concreta, mas sublinhando aspectos específicos do contexto crítico, histórico e político português.

https://hdl.handle.net/10284/3448



Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação SANTOS E SILVA, Débora Cristina & TORRES, Rui (2010). Textualidade em Mídias Digitais: Interfaces do Discurso Literário na Cibercultura. In: Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação, Universidade Estadual de Goiás.

A pesquisa que apresentamos nesse breve ensaio teve como foco o estudo das possibilidades de criação e recepção do discurso em linguagem digital, investigando as interfaces do discurso midiático, tendo como objeto de estudo o processo de ensino-aprendizagem em AVAs (Ambientes Virtuais de Aprendizagem), bem como a produção literária luso-brasileira contemporânea em mídias digitais.

https://hdl.handle.net/10284/3445



Via Litterae 2(1) SANTOS E SILVA, Débora Cristina & TORRES, Rui (2010). Poesia luso-brasileira contemporânea: do verbo ao pixel. In: Via Litterae - Revista [online] de Linguística e Teoria Literária, 2(1). Anápolis, Universidade Estadual de Goiás, pp. 189-205. ISSN: 2176-6800

Este artigo propõe uma reflexão sobre o lugar da poesia no ensino de literatura e na formação do leitor, tendo em vista as metáforas e imagens recorrentes nas interfaces do discurso das hipermídias, entre as linguagens propiciadas pelas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na sociedade contemporânea.

https://www.revista.ueg.br/index.php/vialitterae/



Salette Tavares – Desalinho das Linhas TORRES, Rui (2010). Salette Tavares. In: Salette Tavares – Desalinho das Linhas, org. Margarida Veiga. Lisboa, Centro Cultural de Belém/Plano Nacional de Leitura. Catálogo de Exposição, pp. 5-22.

Intelectual culta, informada e (in)formadora, Salette Tavares verte na sua poesia de invenção um regime de experimentação através do qual o exercício de vigilância e atenção é permeado pelo culto do brincar e do jogo.

https://po-ex.net/



Poesia contemporània, tecnologies i educació TORRES, Rui (2010). Literatura experimental, educació i eines interactives multimèdia. In: Poesia contemporània, tecnologies i educació, org. Gloria Bordons. Barcelona, Pub. Universitat de Barcelona, pp. 49-53. ISBN: 978-84-475-3430-2

Resumo, em catalão, de comunicação apresentada no dia 13-02-2009 ao Seminari Poesia contemporània, Tecnologies i Educació, na Facultat de Formació del Professorat / Campus Mundet / Universitat de Barcelona, Barcelona, Espanha.

https://hdl.handle.net/10284/3452



Teaching Literature at a Distance. Open, Online and Blended Learning TORRES, Rui (2010). Teaching Poetry With New Media. In: Teaching Literature at a Distance. Open, Online and Blended Learning, ed. Takis Kayalis and Anastasia Natsina. London, Continuum Publishing, pp. 137-147. ISBN: 978-0-8264-2703-8

O objetivo deste artigo é discutir o uso das ferramentas interativas multimédia e hipertextuais na educação, argumentando que é necessário fomentar a programação multimédia no contexto da escrita criativa, e descrevendo atividades ligadas à conceção e desenvolvimento de projetos hipermédia em contextos académicos.

https://hdl.handle.net/10284/6653



Literatura & Geografia TORRES, Rui (2009). Cartografias Imaginárias: Identidade e Ruptura em Três cartas da memória das Índias de Al Berto. In: Literatura & Geografia, org. Isabel Patim. Porto, Ed. UFP, pp. 143-156. ISBN: 978-989-643-047-4

Partindo da dimensão metapoética da obra Três Cartas da Memória das Índias, de Al Berto, avalia-se a relação estabelecida, pela escrita, entre uma construção de espaços de dissolução e de exílio (discurso de ruptura) e uma poética dos regressos e dos lugares (agenciamento de identidade).

https://hdl.handle.net/10284/3453



Cibertextualidades, 3 - Produção de conhecimento em meios digitais TORRES, Rui & BAIRON, Sérgio (2009). Produção de conhecimento em meios digitais. In: Cibertextualidades, 3. Porto, Ed. UFP, pp. 9-30. ISSN: 1646-4435

Os artigos seleccionados para este terceiro número da Revista Cibertextualidades respondem a um apelo lançado para uma reflexão acerca das condições de produção do conhecimento em meio digital. As respostas que recebemos articulam posições teóricas distintas, negociando a aplicação de modelos de leitura da hipermédia em contextos diversos.

https://hdl.handle.net/10284/1346



Nuestra America: Revista de Estudios sobre la Cultura Latinoamericana, 5 TORRES, Rui (2008). Olhares Contemporâneos sobre o Brasil. In: Nuestra America: Revista de Estudios sobre la Cultura Latinoamericana, 5. Porto, Ed. UFP, pp. 7-12. ISSN: 1646-5024

Os textos reunidos neste quinto número da Revista Nuestra America apresentam olhares cruzados sobre um Brasil múltiplo e diverso. O nosso objectivo foi proporcionar ao leitor uma visão panorâmica do pensamento e da cultura brasileiros, adoptando como critério da organização a multidisciplinaridade das suas abordagens a um país tão rico na sua variedade cultural.

https://hdl.handle.net/10284/2658



Cibertextualidades, 2 - AlletSator TORRES, Rui & PETRY, Luís Carlos (2008). Introdução. Ciberdrama e Hipermédia. In: Cibertextualidades, 2. Porto, Ed. UFP, pp. 9-13. ISSN: 1646-4435

Uma reflexão acerca das textualidades electrónicas não pode passar sem o exercício específico das escritas digitais. Para este número da Revista Cibertextualidades, apresentamos um projecto que resulta de uma cooperação luso-brasileira, abrindo a fonte da ópera quântica e interactiva AlletSator a um conjunto alargado de Investigadores que têm vindo a acompanhar a criação e a programação deste trabalho.

https://hdl.handle.net/10284/6610



Cibertextualidades, 2 - AlletSator BARBOSA, Pedro; TORRES, Rui & REIS, Pedro (2008). Triálogo: Prelúdio dialogante a AlletSator. In: Cibertextualidades, 2. Porto, Ed. UFP, pp. 67-86. ISSN: 1646-4435

Rui Torres e Pedro Reis conversam com Pedro Barbosa: «Dois ou três anos depois surge o desafio de Luís Carlos Petry, que conheci em São Paulo, para converter AlletSator em hipermédia. De novo respondi que não...»

https://hdl.handle.net/10284/6609



netzliteratur BLOCK, Friedrich W. & TORRES, Rui (2007). Poetic transformation in(to) the digital. In: Netzliteratur. Publicado em linha.

Na nossa contribuição discutiremos alguns projetos no campo da poética digital que transformam ou recriam pré-textos poéticos que não foram concebidos para o espaço eletrónico. O nosso interesse é focar na questão do espaço próprio da poética digital, ou seja, na sua filiação discursiva ou sistémica.

https://www.netzliteratur.net/



The International Journal of the Arts in Society, 1(6) TORRES, Rui (2007). Metaphors of Accumulation in Pieces for Tape, Vinyl and Digital Sound. In: The International Journal of the Arts in Society, 1(6). Chicago, Common Ground/The University of Illinois, Champaign, pp. 25-31. ISSN: 1833-1866

Este artigo aborda três peças musicais que foram executadas utilizando tecnologias de gravação, de formas diferentes daquelas determinadas pela sua configuração original: peças para fita magnética (Alvin Lucier), discos de vinil (Christian Marclay) e som digital (John Oswald), nas quais a referência ao processo de reprodução se expande em metáforas de acumulação, consumismo e consumo de tecnologia.

https://www.i-scholar.in/index.php/IJASARCG/



Estudos em Comunicação/Communication Studies, 2 TORRES, Rui (2007). Horizontes do Webjornalismo. In: Estudos em Comunicação/Communication Studies, 2. Covilhã, Universidade da Beira Interior, pp. 319-336. ISSN: 1646-4974

O que constitui um horizonte quando falamos da fronteira digital? A que nos referimos quando falamos em webjornalismo? Destas questões decorrem novas perguntas e outras reflexões, a que tentarei dar resposta e continuidade.

https://hdl.handle.net/10284/3450



Aletria – Revista de Estudos de Literatura, 14 TORRES, Rui (2007). Transposição e variação na poesia gráfica e espacial de Salette Tavares. In: Aletria – Revista de Estudos de Literatura, 14, Jul-Dez 2006, Intermidialdade, org. Claus Cluver. Minas Gerais, Universidade Federal de Minas Gerais, pp. 267-284. DOI: 10.17851/2317-2096.14.2.266-284. ISSN: 1679-3749

O objectivo deste texto é apresentar uma leitura da poesia gráfica e espacial de Salette Tavares à luz dos processos de intersemiose que esta articula, na frequente transposição entre texto, sons, imagens e objectos.

https://hdl.handle.net/10284/3451



The Value of Literature in and after the seventies: the case of Portugal and Italy TORRES, Rui (2006). Poetics and politics of the Portuguese Experimental Poetry. In: The Value of Literature in and after the seventies: the case of Portugal and Italy, ed. Paula Jordão & Monica Jansen, Italianistica Ultraiectina, 1. Utrecht, Igitur Publishing & Archiving, pp. 113-126. ISSN: 1874-9577

Este artigo aborda a questão de como as práticas estéticas se combinaram com questões ideológicas e como a estetização da vida quotidiana está relacionada com a agitação política dos anos 70 em Portugal, tendo em consideração que os seus poetas desafiaram frequentemente as críticas convencionais às posturas auto-reflexivas e auto-representacionais das poesias de vanguarda.

https://hdl.handle.net/10284/3446



Cibertextualidades, 1 TORRES, Rui (2006). Cibertextualidades: Introdução. In: Cibertextualidades, 1. Porto, Ed. UFP, pp. 6-10. ISSN: 1646-4435

Os autores que participam nesta publicação fazem investigação numa área disciplinar que é atravessada, e contestada, por duas regiões do conhecimento, transitando entre a tecnologia e a escrita, promovendo o estudo da cultura e da hipermédia, tendo assimilado a relação entre arte e computador.

https://hdl.handle.net/10284/851



Callema, 1 TORRES, Rui (2006). Camões transformado e re-montado: o caso de Herberto Helder. In: Callema, 1. Lisboa, pp. 58-64. ISSN: 1646-2963

Uma das tendências da poesia experimental portuguesa é o questionamento da tradição literária, invocando desse modo uma discussão acerca do que se entende por inovação. Retextualizações de obras consideradas clássicas tornam-se nesse âmbito estratégias de renovação e tradução, como se verificou nas transformações operadas com a obra de Luís Vaz de Camões.

https://hdl.handle.net/10284/3455



Artech 2005: Nas fronteiras do imaginário TORRES, Rui (2005). Telepoesis.net - Poesia em Rede. In: Artech 2005: Nas fronteiras do imaginário, ed. Adérito Marcos, Leonel Valbom e Marta Meira. Guimarães, Associação C.C.G. / ZGDV, pp. 129-134. ISBN: 972-99062-4-6

Partindo da apresentação de exemplos de poesia criada para o meio digital, pretende-se com este artigo propor uma reflexão acerca das novas textualidades emergentes com as tecnologias digitais interactivas.

https://hdl.handle.net/10284/3457



Mulheres más: Percepções e representações da mulher transgressora no mundo luso-hispânico TORRES, Rui (2004). Ler Clarice Lispector, re-escrevendo Amor. In: Mulheres más: Percepções e representações da mulher transgressora no mundo luso-hispânico, ed. Ana Toscano e Shelly Godsland. Porto, Ed. UFP, pp. 285-98. ISBN: 972-8830-26-2

Este trabalho resulta de uma reflexão acerca da possibilidade de a crítica literária se inscrever, não numa prática de organização e classificação, mas antes no discurso do seu objecto, expandindo, dessa forma, a ambiguidade do texto. Apresenta-se, para isso, o poema Amor de Clarice, escrito com a intenção de ler o conto Amor, de Clarice Lispector.

https://hdl.handle.net/10284/3458



Sociedade da Informação: balanço e implicações TORRES, Rui (2004). Poesia em meio digital: algumas observações. In: Sociedade da Informação: balanço e implicações, org. Luís Borges Gouveia e Sofia Gaio. Porto, Ed. UFP, pp. 321-328. ISBN: 972-8830-18-1

Através de uma breve descrição de formas de poesia interactiva e animada por computador, proponho neste artigo que a natureza rizomática do hipertexto e do meio digital oferece aos estudos literários uma oportunidade para re-equacionar questões relacionadas com a função da literatura.

https://hdl.handle.net/10284/6654



Bruccoli Clark Layman Dictionary of Literary Biography, 287, Portuguese Writers TORRES, Rui (2003). Herberto Helder (pp. 126-133), Raul Brandão (pp. 42-49), Salette Tavares (pp. 307-312). In: Bruccoli Clark Layman Dictionary of Literary Biography, 287, Portuguese Writers, ed. Monica Rector and Fred M. Clark. Detroit, Thomson-Gayle. ISBN: 0-7876-6824-9

Biografias de três escritores portugueses contemporâneos: Herberto Helder (1930-2015), Raul Brandão (1867-1930), Salette Tavares (1922-1994).




rui arroba telepoesis ponto net | 2024